História dos tecidos de malharia

0

É verdade é que sem tecidos uma malharia não funciona. Esse item é essencial e a matéria-prima de toda a produção. Toda malharia necessita de um bom fornecedor para que sua produção não fique prejudicada. Na hora de adquirir tecidos para malharia, vários fatores devem ser considerados para que a produção consiga fluir sem problemas.

O primeiro fator a ser pensado é no tipo de tecido. Cada tipo de roupa necessita de um tipo de tecido diferente. Assim, se você comprar o tecido errado, o resultado não será bom. O ideal é que você pesquise e conheça cada tipo antes da compra.

A técnica do tecido plano surgiu em torno de 10000 a 12000 anos a.C. O homem provavelmente já produzia cestos, e graças a esta técnica, com a descoberta das primeiras fibras surgem os primeiros tecidos planos.

Já a técnica de malharia foi adquirida muito tempo depois, de forma manual, sem agulhas (tábuas com pinos), pode ter-se iniciado há cerca de 1000 a.C. Existem evidências de tecidos de malha desde o século V a.C. O museu Leicster tem uma meia e malhas, encontradas no Egito, datadas como sendo do Séc. V d.C.

A malharia encontrou na Itália sua primeira escala em territórios europeus, atingindo a Grã- Bretanha, onde por volta de 1488 o Parlamento controlava o preço dos gorros. Já a ilustração mais antiga de uma vestimenta de malha, está retratada no quadro do mestre Bertram (1345-1415), representando a Virgem Maria, produzindo um tecido de malha para Jesus.

Em 1589 o pastor Willian Lee, inventa um tear de malha por trama, operado de forma manual. A partir de então a produção caseira tornou-se de fundamental importância, sendo que o princípio de funcionamento do invento de Lee ainda hoje é utilizado.

Com o advento da Revolução Industrial, em torno de 1870, a produção doméstica de tecidos de malha ainda predominava, e seguiu-se assim até aproximadamente 1940, com a descoberta das fibras sintéticas, foram introduzidas algumas máquinas na Alemanha e na Espanha, começando a expandir o uso das máquinas e dos tecidos de Malharia.



Comentários no Facebook